domingo, 23 de agosto de 2020

A MORTE

A Morte é a separação para a “putrefação” que significa a destruição, pela fermentação, da matéria que compõe os seres vivos; uma maçã putrefaz-se e então diz-se que está “morta”. Esse entendimento diz respeito ao corpo físico. A morte da maçã “libera” a semente que lhe será sobrevida.

A morte do ser humano, contudo, não corresponde a um estágio final, terminal e destrutivo, mas sim a um princípio espiritual.

Hoje a ciência aceita um ser humano como morto quando cessam as funções cerebrais.

A vida vegetativa, em estado de coma, não passa de um estado de morte na expectativa da putrefação. O ser humano pode viver durante um longo período com morte cerebral, sem qualquer perspectiva de retorno à atividade, uma vez que o cérebro cesse suas funções. Será nesse estado que a ciência retirará os órgãos destinados a serem transplantados em outro ser humano; para o doador, significará uma “sobrevida”.

O ser humano, na sua síntese tradicional, nos seus princípios filosóficos, preocupa-se enormemente com instruir os seus adeptos para que enfrentem a morte como fato normal.

A morte pode ser uma “libertação” para o “voo” em direção ao infinito e ao incognoscível.

Não devemos temer a morte.

sexta-feira, 21 de agosto de 2020

Brasil tem mais de mil mortes em 24h e passa de 113 mil

 País é o segundo mais afetado pela pandemia em todo o mundo

País é o segundo mais afetado pela pandemia em todo o mundo

Foto: ANSA / Ansa

O Brasil registrou mais 1.054 mortes pelo novo coronavírus Sars-CoV-2 em um período de 24 horas, elevando o número total para 113.358, informou o levantamento do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) nesta sexta-feira (21).

A taxa de letalidade está mantida em 3,2%, enquanto o índice de mortalidade é de 53,9 pessoas por 100 mil habitantes.

Segundo o balanço, existem 3.532.330 casos da covid-19 em todo território brasileiro, um acréscimo de 30.355 novos contágios entre ontem e hoje. Ainda conforme o Conass, a taxa de incidência continua crescendo, com 1.680,9 pessoas por cada 100 mil cidadãos.

O estado de São Paulo ainda é o epicentro da doença no Brasil registrando 28.155 mortos desde o início da pandemia. Ao todo, 735.960 pessoas já se contaminaram com a covid-19.

No ranking de estados mais atingidos pela pandemia, a Bahia se mantém em segundo lugar com mais contaminados (229.743) e em quinto no número de mortes (4.757).

O Rio de Janeiro, por sua vez, aparece em terceiro na quantidade de casos (207.036) e em segundo na de vítimas, com 15.202. Ceará, Minas Gerais, Pará e Distrito Federal também estão entre os estados mais afetados.

A média móvel de casos em sete dias continua caindo e é de 36.687, enquanto a de morte é 976. Atualmente, o Brasil é o segundo país mais atingido pela covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos, segundo dados da Universidade Johns Hopkins. 

Fonte: Terra.

#ForaBolsonaro

#ForaGenocida

#ForaFascista

REFLEXÃO DO DIA 21.08.20

Nos sentirmos diminuídos é sinal de baixa autoestima. Nós é que sabemos o valor que temos e, por isso mesmo, temos que nos valorizar, e isso é fundamental para a nossa qualidade de vida.

Certamente que jamais conseguiremos agradar a todos, porém, haverá sempre alguém em quem despertaremos atenção e confiança. O que não serve para alguns, certamente servirá para outros.

Não devemos superestimar a importância da opinião que os outros fazem a nosso respeito. Não precisamos de máscaras para convencermos alguém a gostar de nós, e nem temos a obrigação de fazermos igual a outras pessoas para conquistarmos admiração e respeito.

Procuremos ser pessoas singulares, isto é, únicas, autênticas. Não levemos uma vida limitada a "padrões", muitas vezes equivocados. O desprezo de alguns não ofuscará a importância que temos na vida de outras pessoas.

O desrespeito alheio não altera a nossa integridade e nem nos coloca abaixo de ninguém, porque sabemos que temos o nosso valor.

Nosso amor foi desprezado? Problema de quem o desprezou, porque lá na frente irá perceber e se arrepender do que deixou para trás. Não deram crédito às nossas palavras? Se elas foram sinceras, não há com que nos preocuparmos.

Reflitamos um pouco sobre esse assunto, nesta sexta-feira, nos lembrando de que, perde quem nos ataca, quem nos causa desilusão, quem nos trai, quem tenta nos humilhar ou falta com a verdade. Sim, nós temos o nosso valor! Bola pra frente, e ponto final.


quinta-feira, 20 de agosto de 2020

REFLEXÃO DO DIA 20.08.20



A paciência diante das situações que fogem do nosso controle, e que naturalmente agem contra a nossa vontade, não significa fraqueza ou incapacidade da nossa parte. Não devemos pensar assim.

Resignação é uma atitude própria dos humildes de espírito; é uma postura que somente os que confiam em Deus e aprenderam com a vida, sabem utilizá-la.

Em nada adiantará nos irritarmos ou esbravejarmos contra o que chamamos de má sorte, pois, é fazendo uso da paciência que as coisas se ajeitam.

Acreditemos e nos entreguemos nas mãos do Criador e as coisas, em breve, se ajeitarão para melhor.

E, atenção! Não nos deixemos levar pelo falso conceito de resignação. Resignar-se é aceitar as coisas como elas se apresentam, mas procurando fazer o melhor ao nosso alcance para transformá-las. 

Ser resignado é ter a verdadeira paciência. É buscar, com sabedoria, tempo para respirar e tomar novo fôlego para encarar os desafios e provações, com energia redobrada. 

A Paciência é uma nobre virtude. Pratiquemo-la no nosso dia-a-dia, pois, com o tempo ela estará fazendo parte da nossa personalidade, de forma natural e definitiva.

Nesta quinta-feira, nos lembremos de que, nós é quem mais nos beneficiamos ao agirmos com paciência.

Feliz Dia do Maçom

 

20 de agosto, é dia de homenagear aqueles que acreditam na fraternidade universal como real manifestação de liberdade, buscando sempre a igualdade. É dia de exaltar aqueles que buscam incessantemente a verdade e a justiça, combatendo o erro e a opressão, numa interminável e desafiadora luta contra o mal, o vício e a injustiça, tendo como armas a verdade, a virtude, o bem e uma fé inestimável e ilimitada  num ser supremo, fonte da mais pura energia, capaz de derrubar tiranos de toda espécie, que de tempos em tempos aparecem  no contexto histórico para espalhar o ódio, a desgraça e a insanidade. 

#ForaBolsonaro

#ForaFascistas


‘Estado não pode ser infrator’, diz Cármen ao votar por proibir governo de monitorar servidores ‘antifascistas’

 Crédito: AFP

A presidente do Supremo Tribunal Federal, Cármen Lúcia, durante sessão em Brasília, em 4 de abril de 2018 (Crédito: AFP)

Relatora de uma ação que contesta a produção de um dossiê contra 579 servidores públicos opositores ao governo Bolsonaro, a ministra Cármen Lúcia, do Supremo Tribunal Federal (STF) votou nesta nesta quarta-feira (19) para suspender todo e qualquer ato do Ministério da Justiça de produção ou compartilhamento de informações sobre cidadãos que se intitulam antifascistas. Pelo entendimento de Cármen, a pasta comandada pelo ministro André Mendonça fica proibida de levantar dados sobre a vida pessoal, escolhas pessoais ou políticas e práticas cívicas exercidas por opositores ao governo. O procurador-geral da República, Augusto Aras, por outro lado, defendeu o direito do Executivo de colher informações e disse que “relatório de inteligência não se confunde com investigação criminal”. O julgamento será retomado nesta quinta-feira.

Fonte: Isto é

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

Guedes ganha sua sétima vida, mas se torna o ministro mais frágil do governo

 Após interferência no diesel, Guedes e Bolsonaro têm reunião | A ...


Ainda na eleição, Jair Bolsonaro tentou abafar os primeiros rumores de que Paulo Guedes deixaria sua equipe. O economista era alvo dentro do comitê de campanha por sugerir a criação de um imposto nos moldes da velha CPMF. “O Paulo segue firme”, afiançou o candidato.

Apesar do aval público, o presidente manteve o conselheiro sob risco permanente. Bolsonaro precisou defender o auxiliar outras seis vezes. Negou sua demissão e simulou apoio a sua agenda. Em quase todos os casos, porém, forçou o ministro a recuar e preservou os ruídos da relação.

Quando o fantasma do novo imposto incomodou a campanha de Bolsonaro, após o primeiro turno, o candidato quis proteger o economista. Disse que a ideia da CPMF era “um ato falho” e que não criaria novos tributos. Guedes ainda insiste, mas o chefe nunca abraçou o plano.

Na largada do mandato, os atritos da reforma administrativa levaram o presidente a repetir o script. Em outubro, Bolsonaro defendeu a pauta do ministro e disse que havia “100%” de confiança entre os dois.

Dois meses depois, disse estar “muito feliz com esse casamento hétero com o Paulo Guedes”, mas mandou abrandar a proposta que mudaria as regras do funcionalismo. “A equipe econômica entendeu”, comunicou. O texto foi para a gaveta.

No Carnaval seguinte, Guedes voltou a ser um problema. O ministro chamou servidores de parasitas e disse que, se o dólar estivesse mais barato, as empregadas domésticas iriam à Disney. “Ele vai ficar conosco até o último dia”, reagiu o presidente.

Bolsonaro refez o teatro em abril, na disputa entre o economista e os ministros que pediam mais dinheiro para obras. “O homem que decide a economia no Brasil é um só”, sentenciou. O presidente, logo depois, se juntou ao coro dos gastadores.

Sob pressão para abrir o cofre, Guedes ganhou sua sétima vida na segunda (17). Desta vez, Bolsonaro disse que a saída do auxiliar “nunca foi cogitada”. Com tantas garantias de permanência, ele se tornou o ministro mais frágil da Esplanada.

Bruno Boghossian

Jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA).


#ForaBolsonaro

#ForaFascistas

#ForaGenocidas

segunda-feira, 17 de agosto de 2020

Após protestos, gravidez de criança estuprada é interrompida

Grupo de religiosos foi para a frente do hospital em que menina de 10 anos estava internada e orou para que ela não interrompesse a gravidez, chamando a vítima menor de idade e o médico responsável pelo procedimento de "assassinos"

 Durante o domingo, grupos religiosos fizeram atos, fazendo uma espécie de barreira humana na frente do Cisam para tentar impedir a entrada do médico responsável pelo procedimento na unidade de saúde. Ao chegar ao local, o médico foi recebido aos gritos de "assassino". Vídeos do momento circulam nas redes sociais.

"Dentro da maternidade, em alguns momentos, a gente escutava alguns ruídos lá de fora [dos protestos], mas conseguimos manter a menina fora e alheia ao que estava acontecendo lá. A gente sabia o que era, mas no nosso espaço estávamos cuidando dela. Fazendo o procedimento acontecer, explicando a ela direitinho. Para que ela se sentisse acolhida e segura com quem estava ali com ela. Afinal de contas, foi o nosso primeiro contato com ela. Mas acho que conseguimos transcorrer da melhor forma possível para ela, sem causar tantos problemas, porque o que aconteceu do lado de fora, pelo o que a gente viu nas redes sociais, realmente não foi uma situação nem um pouco confortável: um grupo fazendo barulho e sem máscara na porta de um hospital, querendo invadir a instituição. Mas, para nós, do Cisam, fica a sensação e o sentimento de tarefa cumprida, cumprindo com o nosso dever, atendendo a uma ordem judicial para salvar a vida de uma criança que vem sendo vítima, há quatro anos, de um adulto agressor. Um sofrimento que resultou numa gestação", pontuou Benita Spinilli.

De acordo com a coordenadora de enfermagem do Cisam, Maria Benita Spinelli, a instituição optou pelo tipo de procedimento menos invasivo possível. "Se faz um primeiro procedimento, que é o óbito fetal, e em seguida dá continuidade ainda com o uso de alguns medicamentos, para o desencadeamento do aborto, da expulsão do feto, de uma forma menos traumática e intervencionista, para que a eliminação seja por via vaginal, sem causar maiores danos à menina", explicou.

Benita Spinelli explicou ainda que, nesta segunda-feira, a menina deve sentir algumas dores de contrações, mas que são dores esperadas e que não demonstram risco para a paciente. "Elas estão bem [a menina e a avó], acolhidas, estão em uma enfermaria, sendo bem cuidadas por toda a nossa equipe profissional e aguardando o desfecho. A menina deve sentir algumas dores, claro, porque são contrações, e a sensação é essa mesmo, a contração é dolorida, mas está tudo dentro do previsto, correndo da melhor maneira possível. Assim que ela estiver bem, em condições de alta, sem nenhum sangramento ou processo infeccioso, ela poderá voltar para a cidade dela".

fonte: Terra

#ForaBolsonaro

#ForaDamares

#ForaFascistas

Fake news sobre vacinas contra a covid-19 ameaçam combate à doença

 Há 165 vacinas contra a covid-19 em desenvolvimento no mundo, segundo a OMS

Há 165 vacinas contra a covid-19 em desenvolvimento no mundo, segundo a OMS

Foto: Reuters / BBC News Brasil

A vacina da covid-19 ainda não existe, mas a resistência a ela já um problema bem real. Uma pesquisa do Datafolha com 2.065 brasileiros mostrou que 9% dizem que não irão se vacinar contra o novo coronavírus.
Os índices são ainda maiores nos Estados Unidos e no Reino Unido: 16% dos britânicos se recusariam a tomar a vacina se ela estivesse disponível hoje, segundo o instituto Ipsos Mori, e um em cada três americanos faria o mesmo, de acordo com o instituto Gallup.
Um medo das autoridades de saúde é que essa parcela da população cresça junto com o aumento dos ataques às vacinas contra a covid-19 e que isso comprometa os esforços para imunizar gente em número suficiente contra o novo coroanvírus para acabar com a pandemia.
Como a BBC News Brasil mostrou, já há uma campanha em curso contra as vacinas para covid-19 e ela está ganhando mais força conforme avançam as pesquisas.

Os posts publicados nos dois principais grupos antivacina do Facebook no Brasil estavam até há pouco tempo mais concentrados em falar da covid-19 em si e de alguns medicamentos que vêm sendo testados contra ela.

Mas os ataques às vacinas no grupo "Vacina: O maior crime da História!", que tem 8 mil membros, e o "Vacinas: O lado obscuro das vacinas", que tem 13,8 mil, estão ficando mais frequentes, diz João Henrique Rafael Junior, idealizador do União Pró-Vacina, projeto do Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo em Ribeirão Preto que combate a propagação de informações falsas sobre o assunto.

Um dos posts mais recentes diz, por exemplo, que um novo tipo de vacina, que está em teste contra a covid-19, seria capaz de "modificar o DNA" de seres humanos.

A origem dessa "denúncia" seria a osteopata americana Carrie Madej, que afirmou em um vídeo divulgado na internet que esta tecnologia vai criar uma "nova espécie e, talvez, destrua a nossa".

O problema é que isso não é verdade, como disseram especialistas às agências Reuters e Lupa e ao portal G1.

De fato, algumas vacinas em teste contra o novo coronavírus usam uma técnica inédita, conhecida como RNA mensageiro, para fazer com que parte do material genético do coronavírus, seja absorvido por nossas células para fazer com que elas produzam uma proteína característica desse micro-organismo, que será detectada pelo sistema imunológico.
A ideia é que o nosso corpo aprenda desta forma a nos proteger da covid-19. Mas essa tecnologia não altera o DNA das nossas células e, portanto, não cria seres humanos geneticamente modificados.

Essa forma de "denúncia" recorre a um expediente frequente nesse tipo de ataque: mistura algumas informações verdadeiras com outras falsas para nos fazer acreditar que corremos algum perigo e, neste caso, gerar desconfiança sobre as vacinas contra a covid-19.

Outros rumores que circulam dizem que células de fetos abortados são usadas na composição das vacinas; que elas são parte de uma conspiração do bilionário Bill Gates para implantar microchips em nós, ou que voluntários dos testes já morreram por terem se submetido às vacinas em fase experimental.

O temor de Junior, do União Pró-Vacina, é que, uma vez lançada a vacina, ela se torne o único alvo dos vários grupos que espalham mentiras na internet e isso leve à "maior campanha de desinformação da história".

Isso pode não só comprometer a imunização contra o coronavírus, mas aumentar a desconfiança em relação às vacinas contra outras doenças.

"É como em um tsunami. O mar já começou a recuar. Em breve, vamos ser atingidos por uma onda gigantesca de desinformação sobre as vacinas. Se não estivermos preparados, é impensável o efeito que isso pode ter", diz Junior.

A 'infodemia' é 'ameaça à saúde pública'

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já alertou que teorias da conspiração, rumores e mentiras divulgadas em torno da pandemia vêm se espalhando tão rapidamente quanto o próprio coronavírus.

Essa "infodemia" tem contribuído para aumentar o número de casos e mortes por covid-19 no mundo, segundo a organização.
Um estudo publicado no periódico American Journal of Tropical Medicine and Hygiene dá uma ideia do seu impacto.
Entre 31 de dezembro e 5 de abril, seus autores encontraram 2.311 publicações na internet com rumores e teorias da conspiração ou que promoviam a estigmatização de grupos sociais, em 87 países e em 25 idiomas.

Eles avaliaram 2.276 e concluíram que só 9% eram verdadeiras. A maioria eram falsas (82%), enganosas (8%) ou infundadas (1%).

Os cientistas estimam que um dos mitos mais difundidos (que ingerir álcool com uma alta concentração poderia desinfetar o corpo e matar o vírus), fez 5.876 pessoas serem hospitalizadas, matou 800 e deixou 60 cegas.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse em um comunicado em setembro do ano passado que a "desinformação sobre vacinas é uma grande ameaça à saúde global".

Ele pediu que empresas de tecnologia, como Google, Facebook e Twitter, combatam esse tipo de conteúdo.

"As principais organizações digitais têm uma responsabilidade: garantir que seus usuários possam acessar informações sobre vacinas e saúde. Queremos que os atores digitais façam mais para tornar conhecido em todo o mundo que #VacinasFuncionam", disse Ghebreyesus.

O impacto das campanhas antivacina

O diretor-geral da OMS já disse que está preocupado com o alcance crescente das campanhas antivacina. Ghebreyesus alertou que elas podem reverter "décadas de progresso no combate a doenças que podem ser prevenidas".

Um estudo feito pela FTI Consulting, uma empresa de inteligência de mercado presente em 11 países, dá uma ideia do potencial impacto da desinformação que circula em redes sociais sobre as vacinas contra covid-19.
A pesquisa analisou o aumento do volume de posts deste tipo sobre a vacina tríplice viral (para sarampo, caxumba e rubéola) no Twitter ao longo de 2012 e 2018. Neste período, houve uma queda de 3% na cobertura desta vacina na Inglaterra e no País de Gales.

Os cientistas da FTI analisaram a literatura sobre fatores comportamentais e demográficos e criaram um um modelo computacional que levou em consideração todos estes motivos e também o aumento da desinformação no Twitter.

O objetivo foi, por meio de um sistema de inteligência artificial, identificar o quanto da redução da cobertura vacinal foi causada exclusivamente pela desinformação.

O estudo concluiu que cada aumento de 100% no volume de desinformação sobre a tríplice viral no Twitter levou a uma queda de 0,2% na cobertura vacinal. Como houve no período analisado um aumento de 800% da desinformação na rede social, isso gerou uma redução de 1,6% na cobertura vacinal.

Ou seja, mais da metade da queda foi causada pela desinformação. "Outros estudos já haviam demonstrado uma associação entre o aumento da desinformação e a queda da cobertura vacinal. Nosso trabalho é o primeiro a provar que a desinformação causou uma queda", diz Meloria Meschi, coautora do estudo.

David Eastwood, coautor da pesquisa, diz que, diante disso, é preciso levar a desinformação em conta antes mesmo das vacinas contra covid-19 serem lançadas.

"Quando a vacina estiver disponível, será importante que a imunização ocorra rapidamente. Mas, a menos que o risco da desinformação seja combatido, a adoção da vacina pode ser retardada", afirma Eastwood.

fonte: Site Terra.

#ForaBolsonaro
#ForaGenocida

O esquema de Bolsonaro

 O esquema de Bolsonaro

Jair Bolsonaro sabia que, depois da prisão de Fabrício Queiroz, “seu esquema ficaria evidente para qualquer analista político, independentemente do grau de miopia”, diz Fernando Gabeira.

“Vários mandatos na família, pouco mais de uma centena de funcionários, uma boa parte fantasma, e estava resolvido o problema financeiro de campanha e melhoria de vida, capitalizando em negócios imobiliários. Era preciso reencontrar o Centrão, um grupo do qual nunca esteve distante. Seus partidos ao longo dos 28 anos de mandato sempre foram fisiológicos. E o Centrão não significa apenas garantia contra impeachment. Há ali toda uma sabedoria de como se dotar de uma pele de elefante para se escudar das críticas (…).

Um presidente apoiado no Centrão não será novidade. Bolsonaro não se interessa tanto pelo Líbano quanto pelas fórmulas do MDB de Temer para manter a fidelidade de deputados em caso de processo.”

fonte: O Antagonista

#ForaBolsonaro

#ForaFascistas

domingo, 16 de agosto de 2020

Escravos Irlandeses


De 1641 a 1652, más de 500,000 irlandeses fueron asesinados por los ingleses y otros 300,000 fueron vendidos como esclavos. La población de Irlanda cayó de aproximadamente 1,500,000 a 600,000 en una sola década. Las familias fueron destrozadas ya que los británicos no permitieron que los padres irlandeses llevaran a sus esposas e hijos con ellos a través del Atlántico. Esto condujo a una población indefensa de mujeres y niños sin hogar. La solución de Gran Bretaña fue subastarlos también.

Durante la década de 1650, más de 100,000 niños irlandeses entre las edades de 10 y 14 fueron tomados de sus padres y vendidos como esclavos en las Antillas, Virginia y Nueva Inglaterra. En esta década, 52,000 irlandeses (en su mayoría mujeres y niños) fueron vendidos a Barbados y Virginia. Otros 30,000 hombres y mujeres irlandeses también fueron transportados y vendidos al mejor postor. En 1656, Cromwell ordenó que 2000 niños irlandeses fueran llevados a Jamaica y vendidos como esclavos a los colonos ingleses.

Muchas personas hoy evitarán llamar a los esclavos irlandeses lo que realmente fueron: esclavos. Se les ocurrirán términos como "Siervos contratados" para describir lo que le ocurrió a los irlandeses. Sin embargo, en la mayoría de los casos de los siglos XVII y XVIII, los esclavos irlandeses no eran más que ganado humano.

Como ejemplo, la trata de esclavos africanos apenas comenzaba durante este mismo período. Está bien registrado que los esclavos africanos, no contaminados con la mancha de la odiada teología católica y más caros de comprar, a menudo fueron tratados mucho mejor que sus homólogos irlandeses.

Los esclavos africanos eran muy caros a fines del siglo XVII (50 libras esterlinas). Los esclavos irlandeses fueron baratos (no más de 5 libras esterlinas). Si un plantador azotaba o marcaba o mataba a golpes a un esclavo irlandés, nunca era un delito. Una muerte fue un revés monetario, pero mucho más barato que matar a un africano más caro. Los maestros ingleses rápidamente comenzaron a criar a las mujeres irlandesas tanto para su propio placer personal como para un mayor beneficio. Los hijos de los esclavos eran esclavos, lo que aumentaba el tamaño de la fuerza laboral libre del amo. Incluso si una mujer irlandesa de alguna manera obtuviera su libertad, sus hijos seguirían siendo esclavos de su amo. Por lo tanto, las madres irlandesas, incluso con esta nueva emancipación encontrada, rara vez abandonarían a sus hijos y permanecerían en servidumbre.

Con el tiempo, los ingleses pensaron en una mejor manera de utilizar a estas mujeres (en muchos casos, niñas de hasta 12 años) para aumentar su participación en el mercado: los colonos comenzaron a criar mujeres y niñas irlandesas con hombres africanos para producir esclavos con una tez distinta . Estos nuevos esclavos "mulatos" tuvieron un precio más alto que el ganado irlandés y, de la misma manera, permitieron a los colonos ahorrar dinero en lugar de comprar nuevos esclavos africanos. Esta práctica de entrecruzar hembras irlandesas con hombres africanos se prolongó durante varias décadas y fue tan generalizada que, en 1681, se aprobó la legislación "que prohíbe la práctica de aparear mujeres esclavas irlandesas con hombres esclavos africanos con el fin de producir esclavos para la venta". En resumen, se detuvo solo porque interfería con las ganancias de una gran empresa de transporte de esclavos.

Inglaterra continuó enviando decenas de miles de esclavos irlandeses durante más de un siglo. Los registros indican que, después de la rebelión irlandesa de 1798, miles de esclavos irlandeses fueron vendidos tanto a América como a Australia. Hubo abusos horribles de los cautivos africanos e irlandeses. Un barco británico incluso arrojó 1.302 esclavos al Océano Atlántico para que la tripulación tuviera suficiente comida para comer.

No cabe duda de que los irlandeses experimentaron los horrores de la esclavitud tanto (si no más en el siglo XVII) como los africanos. También hay muy pocas dudas de que esas caras marrones y bronceadas que presencias en tus viajes a las Indias Occidentales son muy probablemente una combinación de ascendencia africana e irlandesa. En 1839, Gran Bretaña finalmente decidió por sí sola terminar su participación en la carretera de Satanás al infierno y dejó de transportar esclavos. Si bien su decisión no impidió que los piratas hicieran lo que deseaban, la nueva ley lentamente concluyó ESTE capítulo de pesadilla de la miseria irlandesa.

Pero, si alguien, blanco o negro, cree que la esclavitud fue solo una experiencia africana, entonces se equivocaron completamente.

La esclavitud irlandesa es un tema que vale la pena recordar, no borrar de nuestros recuerdos.

Mario Gómez Rode

Bolsonaro ignora 107.232 mortes

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta durante a cerimônia de posse do seu sucessor, o oncologista Nelson Teich

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta durante a cerimônia de posse do seu sucessor, o oncologista Nelson Teich

Foto: Dida Sampaio / Estadão Conteúdo

Casos de COVID-17 no Brasil

Confirmados - 3.317.096

Recuperados - 2.118.460

Mortes - 107.232

O Brasil hoje tem mais de 107 mil mortes relacionados a covid-19. Atrás somente dos Estados Unidos, tanto em número de casos e óbitos.

O ex Ministro da Saúde, Mandetta, que insinuou que vai desafiar Bolsonaro para a presidência em 2022, tornou-se um nome familiar nos estágios iniciais da pandemia no Brasil. Ele arrancou elogios da esquerda e da direita por seus alertas acessíveis e baseados em ciência sobre a ameaça do coronavírus durante conferências diárias de imprensa.

O médico ortopedista foi nomeado ministro da saúde em novembro de 2018, chocantemente logo após a eleição de Bolsonaro. Mas ele foi demitido em meados de abril, depois de ser desafiado publicamente por Bolsonaro em relação ao distanciamento social.

No dia em que Mandetta foi demitido, o número de mortos de covid-19 no Brasil era cerca de 2 mil. Quatro meses depois, subiu para mais de 105 mil. O ex-ministro é um dos muitos que culpam Bolsonaro pela escala da tragédia.

Segundo ele, a luta contra a covid-19 foi fatalmente comprometida pelo "desprezo absoluto pela ciência" de Bolsonaro - que menosprezou a doença como uma "pequena gripe" e apoiou diversas vezes tratamentos ineficazes, como a cloroquina e hidroxicloroquina.

"É interessante que ele rejeite totalmente a ciência e zombe de todos aqueles que falam de ciência. No entanto, quando há qualquer perspectiva de uma vacina ele é o primeiro a vir bater na porta da ciência ... como se uma vacina iria redimi-lo de sua marcha desconcertante através desta epidemia", disse ele ao jornal britânico.

Mandetta também atacou a "sabotagem completa" de Bolsonaro no Ministério da Saúde. Depois que Mandetta e sua equipe foram despejados, outro ministro da saúde, Nelson Teich, assumiu o comando, mas durou menos de um mês depois de também entrar em conflito com o presidente sobre a covid-19. Desde maio, o ministério tem um general do exército sem experiência médica como líder interino.

"Quando você está em uma situação onde você se cerca de pessoas que dizem o que você quer ouvir e não a verdade ... o líder acaba cegando a si mesmo para o que está acontecendo", afirmou ele. "Ele ouve, mas não ouve. Ele olha, mas não vê". O ex-ministro ainda alertou que, sem uma mudança urgente na direção, o número médio de mortes diárias - que tem sido próximo ou superior a 1.000 por quase três meses - só poderia cair no final de setembro.

"Espero que o líder que sair vitorioso em 2022 seja capaz de reconstruir o tecido social quebrado do Brasil, dando a este país um senso de unidade... e aceitar que não é normal sair por aí dizendo que os brasileiros gostam de rolar no esgoto", disse Mandetta.

Fonte:Site Terra

#ForaBolsonaro

#ForaFascistas------------------------------------------------

terça-feira, 11 de agosto de 2020

REFLEXÃO DO DIA 11.08.20



Há pessoas ricas que vivem infelizes e se perguntam por que estão neste mundo, e outras, pobres, que se sentem alegres e muito felizes com a vida.

A diferença entre elas reside na maneira como se deixam tocar pelos acontecimentos e confiam no teor de suas intenções.

Em que direção caminhamos? 

Para quem fazemos as coisas? 

Como nos comportamos quando os esforços que empreendemos são em vão? 

Tudo depende da intenção com que vivemos e agimos. A boa intenção é que vale. 

Se temos um projeto de vida, mesmo pequeno, e o executamos com boa intenção, o êxito está garantido. Se obstáculos aparecem no decorrer do projeto, a boa intenção ganha ainda mais importância e valor. E ela nos engrandece .

A intenção é boa, quando o nosso pensamento principal é de ajuda a nós mesmos, sem prejuízos a outros; ou, melhor ainda, de ajuda aos outros sem a espera de recompensa.  

A boa intenção é um caminho de flores que nos leva a uma vida melhor. Então, que tenhamos uma excelente terça-feira, carregada de muito otimismo!

terça-feira, 4 de agosto de 2020

#ForaBolsonaro Somos 70%



- Ele disse que praticou zoofilia…
e você votou nele.
- Ele disse que a ditadura tinha que que matar uns 30 mil…
e você votou nele.
- Ele disse que sonegava mesmo, tudo que pudesse…
e você votou nele.
- Ele disse que não estupraria uma mulher pq ela não merecia, por ser feia…
e você votou nele.
- Ele disse que o trabalhador teria que optar por emprego ou direitos…
e você votou nele.
- Ele enalteceu a figura do pior torturador, o Ustra, em rede nacional…
e você votou nele.
- Ele confessou que usava a verba do auxílio moradia para “comer gente”…
e você votou nele.
- Ele defendeu a existência de milícias…
e você votou nele.
- Ele fugiu de todos os debates, por não ter o que falar de proveitoso…
e você votou nele.
- Ele disse que preferia um filho ladrão a ter um filho gay…
e você votou nele.
- Ele demonstrou ódio e desprezo por negros, pesando quilombolas em arrobas e falando que alguns não serviam nem mais para reprodutor, em clara alusão à escravidão …
e você votou nele.
- Ele esteve sempre rodeado do que há de pior…
e você votou nele.
- Ele posou com maçons, católicos, evangélicos, judeus,  para enganar você…
e você votou nele.
- Ele convidou você a fuzilar pessoas (no Acre)…
e você votou nele.
- Ele nunca proferiu uma palavra de paz para a sociedade…
e você votou nele.
- Ele é misógino, homofóbico, preconceituoso, odioso, incompetente, entreguista, lambe botas do Trump...
Estava tudo às claras, mas você, cego(a) de ódio, votou nele...
-autor desconhecido

sábado, 1 de agosto de 2020

Colo de Mãe



Eu to carente do colo de Mãe
Eu to carente da tua atenção
Eu to carente do teu abraço
Que me faz esquecer do meu cansaço
Eu to carente do amor da minha Mãe
Eu to carente da tua voz
Me dizendo que tá tudo bem
Tá tudo bem meu filho

Reflexão do Dia 20/08/22 da E V

Nem todo mundo procura sempre a Deus e nem Dele se lembra de forma costumeira no dia a dia. Por costume, Deus fica para depois, para os mome...

OS MELHORES PITACOS