sexta-feira, 14 de abril de 2023

A PASSAGEM PELO MAR VERMELHO

Na manhã seguinte à noite agitada, embora o mar ainda não tivesse se tornado terra seca, os israelitas, cheios de confiança em Deus, estavam prontos para lançar-se em suas águas. As tribos disputavam entre si a honra de serem as primeiras a saltar. Sem esperar o resultado da disputa verbal, a tribo de Benjamim surgiu, e os príncipes de Judá ficaram tão furiosos por terem sido privados de preeminência em perigo que atiraram pedras nos benjamitas. Deus sabia que os judeus e os benjamitas eram animados por um propósito louvável. Aqueles como os outros desejavam apenas magnificar o Nome de Deus, e Ele recompensou ambas as tribos: na porção de Benjamim a Shekinah passou a residir, e a realeza de Israel foi conferida a Judá.

Quando Deus viu as duas tribos nas ondas do mar, chamou a Moisés e disse: "Meus amados estão em perigo de se afogar, e tu ficas aqui e oras. Diz a Israel que avance e levanta a tua vara sobre o mar, e divide-o." Assim aconteceu, e Israel passou pelo mar com suas águas divididas em dois.

A divisão do mar foi apenas o primeiro dos dez milagres relacionados com a passagem dos israelitas por ele. As outras eram que as águas se uniam em uma abóbada acima de suas cabeças; doze caminhos se abriram, um para cada uma das tribos; a água ficou transparente como vidro, e cada tribo podia ver as outras; o solo sob os pés estava seco, mas se transformou em argila quando os egípcios pisaram nele; as paredes de água transformadas em rochas, contra as quais os egípcios foram lançados e esmagados até a morte, antes que os israelitas pudessem saciar sua sede; e, finalmente, a décima maravilha foi que essa água potável congelou no coração do mar assim que eles satisfizeram sua necessidade. 

E houve outros milagres, além disso. O mar deu aos israelitas tudo o que seus corações desejavam. Se uma criança chorasse nos braços de sua mãe, ela precisava apenas estender a mão e colher uma maçã ou alguma fruta e acalmá-la. As águas se acumularam até a altura de mil e seiscentas milhas, e podiam ser vistas por todas as nações da terra.

A grande maravilha da passagem de Israel pelo mar ocorreu na presença dos três Pais e das seis Mães, pois Deus os tirou de suas sepulturas para as margens do Mar Vermelho, para serem testemunhas dos maravilhosos feitos realizados em favor de Israel. de seus filhos.

Por mais maravilhosos que tenham sido os milagres relacionados com o resgate dos israelitas das águas do mar, aqueles realizados quando os egípcios se afogaram não foram menos notáveis. Antes de tudo, Deus se sentiu chamado a defender a causa de Israel diante de Uzá, o Anjo dos egípcios, que não permitiria que seu povo perecesse nas águas do mar. Ele apareceu no local no exato momento em que Deus queria afogar os egípcios, e disse: "Ó Senhor do mundo! Tu és chamado justo e reto, e diante de Ti não há injustiça, nem esquecimento, nem acepção de pessoas. . Por que, então, desejas fazer meus filhos perecer no mar? Podes dizer que meus filhos se afogaram ou mataram um único dos Teus? Se for por causa da rigorosa escravidão que meus filhos impuseram a Israel, então considere que Teus filhos receberam seu salário.

Na presença dos reis do Oriente e do Ocidente, o pecador começou a se gabar, dizendo: 'Quem é o Senhor, para que eu dê ouvidos à Sua voz, para deixar Israel ir? Por que Ele não vem antes de mim, como todos os reis do mundo, e por que Ele não me traz um presente como os outros? Este Deus de quem você fala, eu não O conheço de forma alguma. Espere e deixe-me pesquisar minhas listas e ver se consigo encontrar Seu Nome.' Mas seus servos disseram: 'Ouvimos dizer que Ele é filho de sábios, filho de reis antigos.' Então Faraó perguntou aos Meus mensageiros: 'Quais são as obras deste Deus?' e eles responderam, 'Ele é o Deus dos deuses, o Senhor dos senhores, que criou o céu e a terra.' Mas Faraó duvidou de suas palavras e disse: 'Não há Deus em todo o mundo que possa realizar tais obras além de mim, pois eu me fiz, e eu fiz o rio Nilo.' Porque ele Me negou assim, enviei dez pragas sobre ele, e ele foi obrigado a deixar Meus filhos irem. No entanto, apesar de tudo, ele não abandonou seus maus caminhos e tentou trazê-los de volta à sua escravidão. Agora, vendo tudo o que aconteceu com ele, e que ele não Me reconhece como Deus e Senhor, ele não merece ser afogado no mar com seu anfitrião?

A família Celestial gritou quando o Senhor terminou Sua defesa: "Tu tens todo o direito de afogá-lo no mar!"

Uzza ouviu seu veredicto e disse: “Ó Senhor de todos os mundos! obra de Tuas mãos, pois Tuas ternas misericórdias estão sobre todas as Tuas obras!"

Quase o Senhor cedeu às súplicas de Uzza, quando Miguel deu um sinal a Gabriel que o fez voar rapidamente para o Egito e buscar de lá um tijolo para o qual uma criança hebreia havia sido usada como argamassa. Segurando este objeto incriminador em sua mão, Gabriel entrou na presença de Deus e disse: "Ó Senhor do mundo! Terás Tu compaixão com a nação amaldiçoada que massacrou Teus filhos tão cruelmente?" Então o Senhor se afastou de Seu atributo de misericórdia e, sentando-se em Seu trono de justiça, resolveu afogar os egípcios no mar.

O primeiro a quem o julgamento foi executado foi o Anjo do Egito - Uzza foi jogado no mar. Um destino semelhante alcançou Raabe, o Anjo do Mar, com seus anfitriões. Raabe havia feito intercessão diante de Deus em favor dos egípcios. Ele havia dito: "Por que deverias afogar os egípcios? Basta aos israelitas que os livraste das mãos de seus senhores." Com isso, Deus deu um golpe em Raabe e seu exército, sob o qual eles cambalearam e caíram mortos, e então Ele jogou seus cadáveres no mar, de onde seu odor desagradável.

Nenhum comentário:

Hora Dourada - Caraguatatuba / SP

 

OS MELHORES PITACOS